Construção coletiva do PPC: a experiência do curso de Pedagogia da Universidade Católica do Salvador (UCSAL)

Antônio Alberto da Silva Monteiro de Freitas

Resumen


Têm sido muitos os desafios que a Universidade tem assumido nos últimos anos, tanto os que se relacionam ao cumprimento dos processos externos de regulação, quanto aqueles centrados no desenvolvimento do conhecimento interno sobre o processo educativo. Este artigo enfatiza a segunda perspectiva educacional, de matriz formativa e tem por objetivo analisar o processo de construção coletiva do Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia da Universidade Católica do Salvador - UCSal, tendo como base a relação entre avaliação e planejamento e sua articulação com a dinâmica pedagógica e administrativa do curso. A metodologia adotada foi o estudo do caso, a coexistência de uma abordagem qualitativa e quantitativa e técnica da recolha de dados empíricos decorrente da aplicação de questionários e entrevistas semiestruturadas a estudantes e professores do curso. Os principais resultados apontam para a importância de se garantirem espaços de participação social dos diferentes sujeitos, na construção do PPC, tendo em vista a formação de pessoas e a produção do conhecimento, assim como a efetiva articulação entre o ensino, a pesquisa e extensão.

 

PALAVRAS-CHAVE: Pedagogia. Avaliação; Planejamento Participativo.


Texto completo:

PDF

Referencias


Afonso, A. J. (2000). Avaliação educacional: regulação e emancipação. São Paulo: Cortez.

Arantes, A. P. P. (2011). Trajetórias e Saberes dos Professores atuantes no Curso de Pedagogia em uma Instituição Privada. 180f. Dissertação de mestrado, Universidade do Oeste Paulista - Unoeste, Presidente Prudente.

Araújo, S. C. L. G. de. (2006). Formação do Pedagogo: Fundamentos Legais e Atribuições no curso de pedagogia (1939-2006), Anais do VI Seminário da Redestrado – Regulação Educacional e Trabalho Docente da UERJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, pp. 1-9.

Belloni, I., Magalhães H. de, & Sousa, L. C. (2007). Metodologia de avaliação em políticas públicas: uma experiência em educação profissional, São Paulo: Cortez.

Bordenave, J. D. (1994). O que é participação. São Paulo: Brasiliense.

Brasil Lei n. 9.396 de 20 de Dezembro de 1996 (1996). Estabelece as Diretrizes e Bases de Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília DF 23/12/1996.

Brasil, Diretrizes Curriculares Nacionais. (2006). Curso de Pedagogia. Brasília.

Brasil, Resolução n. 2 CNE/CP - Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial e continuada dos professores da educação básica. (2015)

Dias, J. S. (1999). Avaliação e privatização no Ensino Superior. In Trindade, Hélgio. (Org.). Universidade em Ruínas: na República dos Professores. (pp. 61-72). Petrópolis, RJ: Vozes.

Dias, J. S. (2007). Prefácio. In Marback Neto, Guilherme. Avaliação: instrumento de gestão universitária. (pp. 11-16). Vila Velha, ES: Hoper.

Libâneo, J. C. (1998). Pedagogia e pedagogos, para quê? São Paulo: Cortez.

Libâneo, J. C, Oliveira, J. F. de & Toschi, M. S. (2012). Educação escolar: políticas, estruturas e organização. 10. ed. São Paulo: Cortez.

Marback, Neto. (2007). Avaliação: instrumento de gestão Universitária. Vila Velha, ES: Editora Hoper.

Nóvoa, A. (2009, setembro e dezembro). Para uma formação de professores construída dentro da profissão. Revista de Educação. Universidade de Lisboa – Faculdade de Psicologia e Ciências de Educação. Lisboa. Portugal, p. 350.

Polidori, M. M. (2004). Construindo políticas educacionais com o suporte da avaliação da educação superior. Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais, Coimbra, 8.

Senado Federal do Brasil. (2015). Resolução Nº 2, de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Bird. Diário Oficial da União, Brasília, 2 de julho de 2015 – Seção 1, pp. 8-12.

Tenório, R. M., Ferreira, R. A. & Lopes, U. de M. (2012). Avaliação e resiliência: diagnosticar, negociar e melhorar. Salvador: EDUFBA.

Worthen, B. R., Sanders, J. R. & Fitzpatrick, J. L. (2007). Avaliação de programas: concepções e práticas. São Paulo: Cortez.

Veiga, I. P. A. & Fonseca, M. (2001). Projeto Político Pedagógico: Novas trilhas para a escola. In Veiga, I. P. A. & Fonseca, M. (orgs.) As dimensões do projeto político-pedagógico: Novos desafios para a escola. Campinas: Papirus.

Veiga, I. P. A. & Fonseca, M. (1998). Perspectivas para reflexão em torno do projeto político pedagógico. In Veiga, I. P. A. & Fonseca, M. (orgs.). Escola: Espaço do projeto político pedagógico. Veiga, I. P. A., Resende, L. M. G. de. (Orgs). 10. ed. Campinas: Papirus.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


 Revista REXE, ISSN 0718-5162 Versión en línea