Depois do holocausto: encontros e diálogos entre o thrash metal e as perspectivas ecologistas em educação

Rodrigo Barchi

Resumen


This essay promotes and makes up several gatherings and convergence between ecological perspectives in education and speeches about environmental hecatacomb and the end of the world evident in the lyrics of the songs and covers of thrash metal bands, especially the group from the US Nuclear Assault. The libertarian, nomad aspects and the ecological perspectives in education whose theoretical scope is strengthened by Felix Guattari, Paulo Freire and Marcos Reigota’s thoughts that are developed in the first part of the text and enable to reveal the educational strengths and the changes in the ecological and catastrophic speeches in the thrash metal bands that are presented and discussed in the second part.

KEY WORDS: Education, Environment, Environmental Education, Thrash Metal.

Doi: 10.21703/rexe.20181733rbarchi9


Texto completo:

PDF

Referencias


Barchi, R. (2009) Contribuições “inversas”, “perversas” e menores às educações ambientais. Interacções, Lisboa, 5 (11), 174-192.

Barchi, R. (2012). Uma ecologia do cão: diálogos entre a filosofia cínica e as perspectivas ecologistas em educação. In: Ana Maria Hoepers Preve [et al.] (org.). Ecologias inventivas: conversas sobre educação. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2012.

Barchi, R. (2014). Entre a atividade política e a ação policial: sobre a institucionalização das relações que envolvem a educação e o meio ambiente. Pro-Posições, Campinas, 25 (3), p. 229-247.

Brum, E. (2015). Diálogos sobre o fim do mundo. El País, 29 sep. 2014 (Entrevista com Eduardo Viveiros de Castro e Déborah Danowski. Recuperado em: . Acesso em: 05 março. 2015.

Catunda, M. (2013). A, B, C de encontros sonoros: entre cotidianos da educação ambiental. Sorocaba: Universidade de Sorocaba, 2013. (Tese de doutorado)

Christe, I. (2010). Heavy Metal: a história completa. Trad. Milena Durante e Augusto Zantoz. São Paulo: Arx: Saraiva.

Deleuze, G. (2006). Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva.

Deleuze, G., y Guattari, F. (1995). Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. (Vol. 1). Trad. Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. São Paulo: Ed 34.

Deleuze, G., y Guattari, F. (1997). Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. (Vol. 5). Trad. Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Ed. 34.

Freire, P. (1987). Pedagogia do Oprimido. 17 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Godoy, A. (2008). A menor das ecologias. São Paulo: Edusp.

Godoy, A. (2009). Educação, meio ambiente e subjetividade na sociedade de controle: por uma ética dos afectos. Interacções 11 (5), p. 8-28.

Guattari, F. (1991). As três ecologias. Trad. Maria Cristina F. Bittencourt. Campinas: Papirus.

Guattari, F. (1992). Caosmose: um novo paradigma estético. Trad. Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. São Paulo: Ed. 34.

Guimarães, Leandro Belinaso et. al. (orgs) (2015). Ecologias Inventivas: experiências das/nas paisagens. Curitiba: CRV, 2015.

Hardt, M., y Negri, A. (1999). Império. Trad. Clóvis Marques. São Paulo: Record.

Hardt, M., y Negri, A. (2005). Multidão. Trad. Clóvis Marques. São Paulo: Record.

Hardt, M., y Negri, A. (2016). Bem-Estar Comum. Trad. Clóvis Marques. São Paulo: Record.

Nuclear Assault (1986a) After the Holocaust. In: NUCLEAR ASSAULT. Game Over. Under One Flag.

Nuclear Assault (1986b). Radiation Sickness. In: Nuclear Assault. Game Over. Under One Flag.

Nuclear Assault (1986c) Nuclear War. In: NUCLEAR ASSAULT. Game Over. Under One Flag.

Nuclear Assault (1989a). Inherited Hell. In: NUCLEAR ASSAULT. Handle With Care. Under One Flag.

Nuclear Assault (1989b). Critical Mass. In: NUCLEAR ASSAULT. Handle With Care. Under One Flag.

Onfray, M. (2001). A política do rebelde: Tratado de resistência e insubmissão. Trad. Mauro Pinheiro. São Paulo: Rocco.

Preve, A. [et al.] (org.) (2012). Ecologias inventivas: conversas sobre educação. Santa Cruz do Sul: Edunisc.

Reigota, M. (1999). Ecologistas. Santa Cruz do Sul: Edunisc.

Reigota, M. (2010). A contribuição política e pedagógica dos que vêm das margens. Teias 11 (21). Rio de Janeiro: Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

Reigota, M. (2011). Educação Ambiental: Normatividade, singularidade e política. In: SÚCCAR, Shafía Súcar (coord.). Visiones Iberoamericanas de la educación ambiental em México: Memórias del Foro Tbilisi =31. Guanajuato: Universidade de Guanajuato.

Reigota, M. (2012). Educação ambiental: a emergência de um campo científico. In: Perspectiva. Florianópolis: UFSC, 30 (2).

Reigota, M. (2013). Affection, environmental education and politics: Encounters with Nita and Paulo Freire. International Journal of Critical Pedagogy, 5 (1).

Sepultura. Dead Embryonic Cells (1991). In: SEPULTURA. Arise. Roadrunner Records.

Viveiros de Castro, E.,y Danowski, D. (2014). Há mundo por vir? Ensarios sobre os medos e os fins. Florianópolis: Cultura e Barbárie: Instituto SocioAmbiental.

Zourabichvili, F. (2009). O vocabulário de Deleuze. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


 Revista REXE, ISSN 0718-5162 Versión en línea